Mestre Pastinha

12/08/2014 10:41

“Aqui pratico a verdadeira Capoeira de Angola e aqui os homens aprendem a ser leais e justos. A lei de Angola, que herdei de meus avós, é a lei da lealdade” (Pastinha)

Vicente Ferreira Pastinha, mais conhecido como mestre Pastinha, já faz parte da cultura popular do Brasil. Nascido em Salvador (BA), no dia 5 de abril de 1889, era visto como “um indivíduo desconfiado e prevenido, que ao aproximar-se de uma esquina, tomava logo o meio da rua.” Outras características peculiares lhe eram atribuídas, como a calça de boca larga que cobria toda a extensão dos pés, a argolinha de ouro na orelha e o tradicional chapéu de banda.

Mesmo depois de muito idoso, jogava Capoeira como um exímio jovem de pouca idade, executando todos os movimentos com grande facilidade. Esse fato e sua intensa dedicação à Capoeira fizeram dele a figura famosa e respeitada que sempre foi, dentro e fora das “rodas”.

Mas quem ensinou a Pastinha a arte da capoeiragem que exercia com tanta perfeição? Quanto a essa questão, existem controvérsias. No prefácio de um pequeno livro publicado em 1964, com o título de “Capoeira Angola” e de autoria de Pastinha, José Benito Colmenro afirma que ele teve como mestre um negro de Angola, de nome Benedito. Entre a maioria dos capoeiristas, porém, a versão aceita é a de que o seu mestre fora Aberrê

Em 1941, no primeiro andar de um sobrado do Largo do Pelourinho, juntamente com mestre Amorzinho, Pastinha fundou aquela que seria uma das mais famosas academias de Capoeira de Salvador: a Escola de Capoeira de Angola. Às quintas e domingos, a animação contagiava os participantes, capoeiristas ou público presente. Qualquer turista que passasse pela capital da Bahia, não perdia a oportunidade de ver o mestre, no centro de sua roda, jogando com jovens e vigorosos capoeiras, derrotando um a um. E quando saía do jogo, sem precisar descansar, segurava o berimbau e puxava as cantigas. “Aqui pratico a verdadeira capoeira de Angola e aqui os homens aprendem a ser leais e justos. A lei de Angola, que herdei de meus avós, é a lei da lealdade”( Pastinha, em conversa com seu amigo, o escritor Jorge Amado).

Berimbau, pandeiro, caxixi e agogô eram os instrumentos musicais usados na Capoeira de Pastinha que dava preferência aos toques de São Bento Grande, São Bento Pequeno, Angola, Santa Maria, Cavalaria, Amazonas e Iuna.

Um dos poucos capoeiristas de sua época a viajar para o exterior, em abril de 1966 Pastinha integrou a delegação brasileira junto ao Premier Festival International des Arts Nègres, de Dakar (África), a convite do Ministério das Relações Exteriores do Brasil.

Ainda dedicava parte de seu tempo para dirigir o Centro Esportivo de Capoeira de Angola, destinado a preservar o jogo em sua forma pura, chamada Angola ou Tradicional.

Fonte: Revista Capoeira. Disponível em:http://www.revistacapoeira.com.br/historia/mestre-pastinha-capoeirista-e-poeta-popular/