Material de apoio do terceiro bimestre

20/09/2011 10:36

 

ORIENTAÇÕES AO ALUNO

 

            Os benefícios da atividade física estão bem estabelecidos em pesquisas científicas e, também, muito divulgados pelas mídias. Porém, é necessário para viver no mundo atual cada vez mais conhecimentos, valores e atitudes positivas em relação a si mesmo e aos outros.

            Os conhecimentos, valores e atitudes adquiridos na unidade curricular de Educação Física, poderão auxiliar na leitura crítica e consciente das notícias do esporte e demais atividades físicas veiculadas pelas mídias; contribuir no momento da escolha de um serviço de atividade física oferecida (academia, clube ou personal trainer); permitir o desenvolvimento de competências necessárias a uma prática que respeite os princípios do treinamento (controlar a intensidade de uma corrida, utilizar o alongamento antes e após as atividades físicas, buscar orientação de um profissional etc.); usufruir de forma benéfica dos momentos de lazer; bem como, exigir das empresas ou locais de trabalho programas de atividades físicas que atendam os princípios de ergonomia e ginástica laboral.

            O trabalho é destinado aos estudantes do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Mato Grosso do Sul - Campus Três Lagoas, para auxiliá-los na compreensão dos conteúdos e utilizá-los nas diferentes linguagens: corporal, oral, escrita, imagética e sonora. E baseia-se nos conteúdos da ementa da unidade curricular de Educação Física para o primeiro período do segundo semestre:

- Investigação sobre os conhecimentos do corpo, aptidão física e saúde: conceitos - esporte, exercício físico, aptidão física e atividade física - e sua relação com as capacidades físicas.

- Retomada e fundamentação das principais características de um esporte convencional (de acordo com a opção do docente: atletismo, futebol, futsal, handebol, basquetebol, xadrez, tênis de mesa): história, pequenos e grandes jogos, regras, fundamentos básicos, habilidades motoras, cognitivas, sociais e afetivas, trabalho coletivo, alteridade, cooperação e respeito à diversidade.

            Assim, para que ocorra a aprendizagem faz-se necessário que o estudante fique atento às explicações, participe das aulas, faça anotações, não tenha vergonha de fazer perguntas, exponha suas dúvidas, procure respostas, dê sua opinião, freqüente os PEs (permanência de estudantes) e use roupas apropriadas para as aulas práticas.

            Dessa forma, o contato com o professor é de fundamental importância, assim como a troca de idéias com os colegas de sala. Deixe reservado durante a semana pelo menos um dia para fazer as atividades propostas e rever os conteúdos da unidade curricular de Educação Física.

 

Prof. Me. Alan Rodrigo Antunes

IFMS - Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia

Campus - Três Lagoas

E-mail: alan.antunes@ifms.edu.br

TEMA: Conceitos de esporte, atividade física, exercício físico e aptidão física; e sua relação com as capacidades físicas.

 

Total de aulas: 8 (oito)

 

1.    Esporte, Atividade física e exercício físico

 

1.1 Esporte

 

Muitas vezes usamos os termos esporte, atividade física e exercício físico como sinônimo, porém tais nomes apresentam diferenças em suas definições e práticas. Portanto, o objetivo deste conteúdo é conceituar, classificar, refletir e propor vivências dos termos indicados.

Iremos começar pelo esporte. Para Betti (1991) o esporte é uma atividade social institucionalizada, com regras, que envolve o prazer (lúdico), na forma de competição entre oponentes, cujo objetivo é determinar o vencedor. Já Bracht (1989) considera o esporte uma atividade corporal competitiva, que tem como objetivo a vitória, o rendimento físico-técnico, racionalização, record e cientificização do treinamento.

Assim, ao considerar as duas definições o esporte tem o lúdico presente em sua prática, porém, as regras são determinadas por um código de conduta ou livro de regras que são respeitadas durante as competições. É institucionalizado, isto é, submetem-se as normas e leis de confederações, federações, entidades que regem as competições regionais, nacionais e internacionais.

Para entendermos melhor o termo façamos uma comparação entre esporte e jogo. Huinzinga (2007, p. 33) apresenta a seguinte definição de jogo:

 

 

“[...] uma atividade ou ocupação voluntária, exercida dentro de certos e determinados limites de tempo e de espaço, segundo regras livremente consentidas, mas absolutamente obrigatórias, dotada de um fim em si mesmo, acompanhada de um sentimento de tensão e de alegria e de uma consciência de ser diferente da vida quotidiana”.

 

 

Assim, o esporte difere do jogo tanto no objetivo quanto na organização. O jogo tem como objetivo, além da vitória, a participação, o caráter voluntário, o prazer (ou desprazer), o “não sério”, a liberdade é inerente ao jogo. Não segue regras rígidas de conduta, ou seja, as regras existem, porém podem ser alteradas de acordo com o consentimento dos participantes. Não se submete as normas ou leis de instituições esportivas. No esporte, não se exclui a importância dada aos resultados, o que se faz é tão importante quanto à livre escolha que se fez.

 

Espaço para anotações:_______________________________________________

 

___________________________________________________________________

 

___________________________________________________________________

 

___________________________________________________________________

 

Baseado no texto e nas suas experiências corporais realize as atividades:

 

a)    O futebol é sempre um esporte ou pode ser um jogo?

 

 

 

 

 

b)    Diferencie o jogo de Bets (ou outro jogo) do Vôlei (ou outro esporte) que você assiste na televisão. Considere: Regras, vestuário, árbitro, duração da partida e campo de jogo.

 

 

 

 

 

 

c)    Faça a relação:

 

Esporte (1)

 

(     ) Vitória

 

 

(     ) Voluntário

 

 

(     ) Flexibilidade de conduta

 

 

(     ) Livro de regras

 

 

(     ) Institucionalizado

Jogo (2)

 

(     ) Participação

 

           

Agora, vamos estudar o esporte sobre três dimensões: educação, participação e performance. Segundo Tubino (1991, p. 31-37) o esporte, a partir do pressuposto do direito de todos à prática esportiva, pode ser compreendido por meio de três manifestações ou formas de exercício deste direito:

ü Esporte-educação: nesta percepção o conteúdo é fundamentalmente educativo; as competições escolares devem ter um sentido educativo, e não simplesmente reproduzir as competições de alto nível. Tubino ao falar desta percepção cita Teotonio Lima, que acredita numa orientação educativa do esporte sob três aspectos pedagógicos: a de integração social (participação na tomada de decisões), a de desenvolvimento psicomotor (atender as necessidades de movimento e proporcionar situações de juízo crítico, auto-avaliação) e a das atividades físicas educativas (proporcionar o desenvolvimento das aptidões e capacidades). Outro ponto está na formação para a cidadania, na qual Tubino cita Hirschman. Nesta visão três dimensões deveriam ser consideradas: a cidadania política (exercício do poder, direito do voto), a cidadania civil (liberdade de pensamento e expressão) e a cidadania social (expressa na educação, saúde, bem-estar e segurança).

 

Espaço para anotações:_______________________________________________

 

___________________________________________________________________

 

ü Esporte-participação: aqui está a dimensão social do esporte com o princípio do prazer lúdico; relaciona-se com o lazer e o tempo livre; também é chamado de popular. Apresenta os seguintes propósitos: descontração, diversão, desenvolvimento pessoal e relações entre as pessoas. Além das condições hedonísticas (o prazer como bem supremo) o esporte popular tem o seu valor social. Tal valor é evidente nos programas de esportes nascidos nos grupos ou comunidades, aqui presente o caminho democrático. A participação equilibra o quadro de desigualdades esportivas encontrado na dimensão do esporte-performance.

 

Espaço para anotações:_______________________________________________

 

___________________________________________________________________

 

ü Esporte-performance: sinônimo do conceito de esporte até a década de sessenta. Exige organização complexa e investimentos. Traz consigo os propósitos de êxitos esportivos, a vitória, códigos e regras preestabelecidos pelos organismos internacionais. Tendência natural de ser praticado por talentos esportivos, o que impede de ser considerada uma manifestação comprometida com os preceitos democráticos. Nos espetáculos esportivos está presente a dimensão social, com suas possibilidades positivas (intercâmbios internacionais, fortalecimento da sociedade, geração de profissões, turismo, influência no esporte popular) e negativas (meio de negócio, exclusão, reprodução da violência que acontece no cenário esportivo, incentivo ao consumo exacerbado de produtos esportivos).

 

Espaço para anotações:_______________________________________________

 

___________________________________________________________________

 

Por conseguinte, numa visão sociocultural o vínculo cultural de cada modalidade esportiva estará no jogo que a originou; o significado e os valores que dão sentido cultural ao esporte estão sempre no jogo. Portanto, o jogo é um componente sociocultural do esporte, porém, a exacerbação do agon (competição, disputa), ou o detrimento do ludens (lúdico, prazer), tornou o esporte muito mais competição do que jogo, perdendo parte do seu significado sociocultural inicial.

 

Vamos refletir.

 

d)    Faça a correspondência:

 

(1) Esporte-educação

 

(     ) Praticado por talentos esportivos

(2) Esporte-participação

 

(     ) Considera a cidadania política, civil e social

(3) Esporte-performance

 

(     ) Relaciona-se com o prazer e o tempo livre

e)   Qual das três dimensões apresentadas por Tubino mais se assemelha ao conceito de esporte e de jogo?

           

 

 

 

Parei: Informática

 

1.2 Atividade Física e Exercício Físico

 

O termo atividade física é definido como qualquer atividade que proporcione gasto energético acima dos níveis de repouso, como nas atividades domésticas, laborais, de lazer, exercícios e esporte. Assim, varrer uma casa, lavar roupa, caminhar pelo parque, dirigir um carro, jogar uma partida de futebol, nadar etc., são atividades físicas. Porém, nem toda atividade é um exercício físico.

O exercício físico é definido como uma atividade sistematizada, repetitiva, padronizada, com objetivos relacionados ao desenvolvimento de habilidades motoras ou capacidades físicas. Por conseguinte, uma atividade física planejada, orientada e proposta para a manutenção ou melhora da aptidão física (capacidade aeróbia, capacidade muscular, flexibilidade e composição corporal), é considerada um exercício físico. Por exemplo, quando realizo uma série de abdominais o faço de forma repetitiva, padronizada e com o objetivo de manter ou melhorar a resistência ou força dos músculos do abdômen. Já, quando vou varrer uma casa não determino o número de movimentos que irei realizar para limpar toda a casa, nem tenho como objetivo fortalecer os músculos que estão envolvidos no ato de varrer. Dessa forma, todo exercício físico é uma atividade física, porém nem toda atividade física é um exercício físico.

Espaço para anotações:_______________________________________________

 

___________________________________________________________________

 

___________________________________________________________________

 

Vamos refletir.

f)     Para o desenvolvimento das capacidades físicas (força, velocidade, agilidade, flexibilidade, resistência) o mais indicado são exercícios físicos ou atividades físicas?

 

 

 

 

g)    Soma. Assinale as alternativas corretas e faça a soma:

 

         ( 2 )

Lavar o carro é um ótimo exercício físico.

         ( 4 )

Exercício físico é uma atividade repetitiva sem fins determinados.

         ( 1 )

Hoje irei à academia realizar muitos exercícios físicos.

         ( 7 )

Atividade física é toda atividade com gastos de energia abaixo dos níveis de repouso.

Total (    )

 

 

h)   Faça um texto mostrando a relação dos conceitos estudados, isto é, como os conteúdos estudados podem auxiliar na realização das atividades diárias ou na prática de esportes, jogos, lutas etc.

______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

2.    Aptidão Física

 

A aptidão física pode ser definida de várias formas. Uma delas esta relacionada à saúde, isto é, a prevenção de doenças e à promoção da saúde. Segundo KENNEY et al. (2000, p. 46), a aptidão física relacionada à saúde pode ser definida com um estado caracterizado por capacidade de realizar atividades diárias com vigor e com demonstração de particularidades e potencialidades associadas a pequeno risco de desenvolvimento prematuro de doenças hipocinéticas.

A American College of Sports Medicine (ACSM, 2003, p. 8) apresenta uma definição mais compreensível, na qual apresenta a aptidão física como sinônimo de condicionamento físico:

 

 

[...] o condicionamento físico relacionado à saúde refere-se à capacidade que seu coração, seus vãos sanguíneos, seus pulmões e seus músculos têm de resistir às tarefas diárias e ocasionais, assim como a desafios físicos inesperados, com um mínimo de cansaço e desconforto. Em outras palavras, é a posse das reservas de energia necessárias para fazer tudo o que se deseja – e ainda mais!

 

 

            Por conseguinte, temos as seguintes definições dos componentes da aptidão física/condicionamento físico segundo ACSM (2003, p. 9):

 

 

. Capacidade aeróbia – A capacidade de o corpo captar e utilizar o oxigênio para produzir energia.

. Capacidade muscular – A força e a resistência de seus músculos.

. Flexibilidade – A capacidade de flexionar as articulações e os músculos por meio de uma série de movimentos.

. Composição corporal – A relação entre a quantidade de tecido adiposo e a de outro tecido no seu corpo.

 

 

Outra definição refere-se estritamente à capacidade de movimento. De acordo com os mesmo autores, a aptidão relacionada ao desempenho atlético abrange um conjunto de atributos que as pessoas têm ou adquirem que está relacionado com a capacidade de realizar atividade física. Essa definição situa-se com preocupações inerentes ao desenvolvimento motor de crianças e jovens na perspectiva das capacidades funcionais e motoras relacionadas à prática esportiva em geral.

Espaço para anotações:_______________________________________________

 

___________________________________________________________________

 

___________________________________________________________________

 

            Vamos refletir:

i)     Como podemos conhecer o nosso nível de aptidão física: (assinale apenas uma resposta)

(     ) por meio de testes

(     ) por meio de avaliações

(     ) fazendo raio X

(     ) respondendo um questionário

(     ) por meio de testes e/ou avaliações

j)     Quais são os elementos que compõem a aptidão física? Cite-os.

 

 

 

Parei Informática. Falta os exercícios

3.    Capacidades Físicas

 

Numa partida de voleibol, futebol, handebol ou na vivência de um jogo de bets ou queimada, bem como nas tarefas diárias, as capacidades físicas são necessárias e determinantes na forma como praticamos o jogo, o esporte ou outra atividade. Porém, não damos muita importância para as capacidades físicas, a não ser quando as mesmas estão pouco desenvolvidas:

 

- Estou sem fôlego para correr.

- Não tenho força para chutar a bola de longa distância.

- Não consigo levantar a perna.

- Não consigo levantar este peso.

 

Assim, o baixo rendimento nas atividades físicas diárias é causado, dentre outros fatores, pelo baixo nível de desenvolvimento das capacidades físicas.

 

Responda:

k)     Você já sentiu falta de alguma capacidade física durante a realização de tarefas diárias? Em caso positivo descreva-a.

 

 

 

 

l)      Escreva o nome das capacidades físicas que você conhece?

 

 

 

 

 

Bom, agora vamos conceituar as capacidades físicas:

 

Velocidade: “é a capacidade de realizar um movimento no menor espaço de tempo”. (BARBANTI apud MARINS; GIANNICHI, 1998, p. 67).

Espaço para anotações:_______________________________________________

 

___________________________________________________________________

 

___________________________________________________________________

 

Força: “é a capacidade de exercer tensão muscular contra uma resistência, envolvendo fatores mecânicos e fisiológicos, que determinam a força em algum movimento particular”. (BARBANTI apud MARINS; GIANNICHI, 1998, p. 78)

Espaço para anotações:_______________________________________________

 

___________________________________________________________________

 

___________________________________________________________________

 

Potência: “é o tipo de força que pode ser explicada pela capacidade de exercer o máximo de energia num ato explosivo. Também conhecida como potência muscular, pode ser melhor explicado pela fórmula de potência da Física (P = F x V, onde: P = força e V = velocidade)”. (TUBINO apud MARINS; GIANNICHI, 1998, p. 86)

Espaço para anotações:_______________________________________________

 

___________________________________________________________________

 

___________________________________________________________________

 

Flexibilidade: “é a capacidade de mover o corpo e suas partes dentro dos seus limites máximos sem causar danos nas articulações e nos músculos envolvidos”. (Johnson e Nelson apud MARINS; GIANNICHI, 1998, p. 95)

Espaço para anotações:_______________________________________________

 

___________________________________________________________________

 

___________________________________________________________________

 

Equilíbrio: “é a qualidade física conseguida por uma combinação de ações musculares com o propósito de assumir e sustentar o corpo sobre uma base, contra a lei da gravidade”. (TUBINO apud MARINS; GIANNICHI, 1998, p. 100)

Espaço para anotações:_______________________________________________

 

___________________________________________________________________

 

___________________________________________________________________

 

Agilidade: “é uma variável neuro-motora caracterizada pela capacidade de realizar trocas rápidas de direção, sentido e deslocamento da altura do centro de gravidade de todo o corpo ou parte dele”. (MATSUDO apud MARINS; GIANNICHI, 1998, p. 107)

Espaço para anotações:_______________________________________________

 

___________________________________________________________________

 

___________________________________________________________________

 

Resistência: Segundo Weineck (1999, p. 135) o conceito de resistência envolve a capacidade de resistência psíquica e física de um atleta. Para Frey (apud WEINECK, 1999, p. 135) “resistência psíquica é a capacidade de um atleta de suportar um estímulo no seu limiar (limite estabelecido) por um determinado período de tempo e a resistência física é a tolerância do organismo e de órgão isolados ao cansaço”.

Existem vários tipos de resistência, porém vamos fazer distinção apenas quanto à mobilização energética, aeróbica e anaeróbica.

Para Weineck (1999, p. 135) na resistência aeróbica há oxigênio suficiente para a queima oxidativa de substâncias energéticas. Na resistência anaeróbica – que ocorre sob estímulos de alta intensidade ou freqüência e fornecimento insuficiente de oxigênio – não há oxigênio suficiente para a mobilização aeróbica de energia, que passa a ser obtida por mecanismos anaeróbicos.

Espaço para anotações:_______________________________________________

 

___________________________________________________________________

 

___________________________________________________________________

 

 

m) Faça a correspondência:

 

(E) Equilíbrio

(      ) João consegue levantar 200 kg no supino.

(Fl) Flexibilidade

(   ) O jogador Lucas muda de direção rapidamente, por isso consegue realizar ótimos dribles.

(R) Resistência

(   ) Jadel Gregório salta muito bem, pois tem muita força e velocidade.

(V) Velocidade

(    ) Os movimentos de Daiane dos Santos são belíssimos, ela deve fazer muito alongamento.

(P) Potência

(      ) A ginasta Jade tem bons resultados na prova da trave.

(Fo) Força

(      ) Vou treinar para correr a São Silvestre

(A) Agilidade

(      ) Correr o mais rápido possível de um lado da quadra ao outro.

 

TEMA: HANDEBOL

Total de aulas: 8 (oito)

 

5 Handebol

5.1 História

O Handebol moderno foi praticado pela primeira vez na Dinamarca, em 1897 e sua ascensão inicia-se na década de 1910, com o surgimento do Handebol a 11, impulsionado pelos parlamentares da Dinamarca, Alemanha e Suécia. Este Handebol a 11 começou a ser praticado através da iniciativa de alguns professores de Educação Física alemães, que  o criaram a partir do Raftball (jogo com as mãos praticado no campo) e  do Konrad Koch (forma primitiva do rugby). O professor alemão Karl Chelenz, lançou o Handebol na Europa e apresentou melhorias nas regras do jogo. Nos jogos olímpicos de Amsterdam, 1928, foi criada a Federação Internacional de Handebol Amador, IAHF, e, em 1946, foi criada a Federação Internacional de Handebol, IHF. Com o passar do tempo foi criado o Handebol de quadra, com 7 jogadores, sendo que o primeiro campeonato mundial aconteceu em 1957 na Iugoslávia. Esta modalidade foi criada com o intuito de fugir do inverno rigoroso europeu e ganhar em movimentação e rapidez. (Federação Internacional de Handebol, 2007)

No Brasil, o Handebol apareceu sendo praticado nos grupos germânicos que habitavam o país, por meio de Emil Shemehlin, que trouxe o esporte, na versão praticada em campo, após a Primeira Guerra Mundial. Eram realizados também alguns jogos amistosos entre as colônias alemãs do sul e sudeste do país já em 1928. Em 1954, a Federação Paulista de Handebol instituiu o Handebol de salão, realizando o I Torneio aberto de Handebol. Assim, a Confederação Brasileira de Desportos – CBD, criou um Departamento de Handebol, responsável por organizar os torneios e campeonatos brasileiros. Em 1971, o esporte foi incluído nos III Jogos Estudantis Brasileiros, realizado em Belo Horizonte - MG, difundindo assim pelos outros estados. A partir de então vários foram os acontecimentos que representaram a difusão do esporte, como a inserção nos Jogos Universitários, a realização do campeonato adulto, a fundação da Confederação Brasileira de Handebol (1979), a participação nos jogos olímpicos de Barcelona (1992), a criação das federações estaduais, etc. (Federação Internacional de Handebol, 2007).

No entanto a origem dos esportes sempre será uma incógnita, afinal existem várias polêmicas para precisar a origem dos esportes e com o Handebol não seria diferente. O gesto de arremessar um objeto a certa distância, com precisão e pontaria é tão velho quanto à própria humanidade.

O handebol introduzido nos Jogos Olímpicos durante a edição de Berlim 1936, apenas com o torneio masculino. Após um longo período de ausência, o esporte retornou novamente em solo alemão para os Jogos Olímpicos de 1972 em Munique. O torneio feminino foi introduzido na  Olimpíada de 1976 em Montreal

Em Pequin 2008, a França foi campeã no masculino e a Noroega no feminino. O Brasil não chegou a ganhar medalhas nos jogos olímpicos.

Para saber mais pesquise sobre a participação do Brasil nas Olimpíadas e nos Campeonatos Mundiais.

 

Espaço para anotações:_______________________________________________

 

___________________________________________________________________

 

___________________________________________________________________

            Agora, responda as perguntas:

n)    Como era jogado o handebol no seu início?

 

 

o)    “A prática do Handebol evoluiu da quadra para o campo!” Comente esta afirmação

 

p)    Faça a correspondência:

(HB) Handebol no Brasil

( P ) Origem dos esportes

(FI) Federação Internacional de Handebol

( DE ) Participação nos jogos olímpicos de Barcelona (1992)

(DE) Difusão do esporte

( HB ) Jogos amistosos entre as colônias alemãs

(P) Incógnita

( FI ) Jogos olímpicos de Amsterdam, 1928.

 

5.2 Algumas Regras do Esporte

Serão apresentadas as principais regras do handebol. Este conteúdo tem como finalidade rever os conhecimentos já adquiridos no ensino fundamental. Foram consultados no site da Confederação Brasileira de Handebol. Disponível em:< http://www.ligahand.com.br/brasilhandebol/regrasl.php.

A quadra de jogo é um retângulo com 40 metros de comprimento e 20 metros de largura e consiste de duas áreas de gol e uma área de jogo. Os lados maiores são chamados de linhas laterais e os lados menores são chamados linhas de gol (entre os postes da baliza) ou linhas de fundo (em ambos os lados da baliza). 

A baliza é colocada no centro de cada linha de fundo. As balizas devem estar firmemente fixadas ao solo ou nas paredes atrás delas. Elas medem 2 metros de altura e 3 metros de largura no seu interior. Os postes e a barra transversal devem ter uma secção quadrada de 8 cm.

Em frente a cada baliza, há uma área de gol. Esta área de gol é definida por uma linha de área de gol (linha de 6 metros). A linha de tiro livre (linha de 9 metros) é uma linha tracejada a 3 metros de distância da linha da área de gol.

A linha de 7 metros é uma linha com 1 metro de comprimento, marcada diretamente em frente de cada baliza.

A linha de limitação do goleiro (linha de 4 metros) é uma linha de 15 cm de comprimento.

A zona de substituição (um segmento da linha lateral) se estende a uma distância de 4,5 metros da linha central para cada equipe. Este ponto final da zona de substituição é prolongado por uma linha que é paralela a linha central, se estende 15 cm dentro da quadra e 15 cm fora da quadra.

A duração normal da partida para todas as equipes com jogadores de idade igual ou acima de 16 anos, é de 2 tempos de 30 minutos. O intervalo de jogo é normalmente de 10 minutos. A duração normal da partida para equipes de jovens é 2 X 25 minutos no grupo de idade entre 12-16 anos e 2 X 20 minutos no grupo de idade entre 8-12 anos, em ambos os casos o intervalo de meio tempo é normalmente de 10 minutos. 

Uma prorrogação é jogada, após 5 minutos de intervalo, se uma partida acaba empatada no final da duração da partida e um vencedor tem de ser determinado. A prorrogação consiste de 2 períodos de 5 minutos, com um intervalo de 1 minuto. 

Se o jogo continuar empatado depois do primeiro tempo extra, um segundo tempo extra é jogado após um intervalo de 5 minutos. Este segundo tempo extra também tem 2 períodos de 5 minutos com um intervalo de 1 minuto. 

Se o jogo ainda estiver empatado, o vencedor será determinado de acordo com o regulamento particular da competição. 

Uma equipe consiste de 12 jogadores. Não mais de 7 jogadores podem estar presentes na quadra de jogo ao mesmo tempo. Os demais jogadores são substitutos. Durante todo o tempo do jogo, a equipe deve ter um dos jogadores na quadra designado como um goleiro. Um jogador que está jogando na posição de goleiro pode se tornar um jogador de quadra a qualquer momento. Do mesmo modo, um jogador de quadra pode se tornar um goleiro a qualquer momento. Uma equipe deve ter pelo menos 5 jogadores na quadra no começo do jogo. O número de jogadores da equipe pode ser aumentado até 12, a qualquer momento durante o jogo, incluindo o período-extra.

O jogo pode continuar, mesmo se uma equipe ficar reduzida a menos de 5 jogadores na quadra. Depende dos árbitros julgarem se e quando o jogo deve ser dado por encerrado

Os reservas podem entrar no jogo, a qualquer momento e repetidamente, sem notificar o secretário/cronometrista, desde que, os jogadores que eles vão substituir já tenham deixado a quadra.

O goleiro: tocar a bola com qualquer parte do seu corpo enquanto numa tentativa de defesa, dentro da sua área de gol.

Sair da área de gol sem a bola e participar do jogo no terreno de jogo; enquanto fizer isto, o goleiro se sujeita às mesmas regras aplicadas aos jogadores na área de jogo.

O goleiro é considerado fora da área de gol tão logo qualquer parte de seu corpo toque o solo no lado de fora da linha da área de gol.

Somente ao goleiro é permitido entrar na área de gol. A área de gol, que inclui a linha da área de gol, é considerada invadida quando um jogador de quadra a toca com qualquer parte de seu corpo. Porém, após um arremesso (salto) o jogador pode pousar na área de gol, desde que não atrapalhe a ação do goleiro ou do adversário.

Um tiro de 7 metros é assinalado quando: 

a)    uma clara chance de marcar um gol for impedida em qualquer lugar da quadra, por um jogador ou oficial de equipe da equipe adversária; 

b)    há um apito não autorizado no momento de uma clara chance de marcar um gol; 

c)    uma clara chance de marcar um gol é destruída através da interferência de alguém não participante do jogo.

Espaço para anotações:_______________________________________________

 

___________________________________________________________________

 

___________________________________________________________________

 

Sinais de arbitragem

Fonte das imagens: http://www.ligahand.com.br/brasilhandebol/gestos.php.

                                                    

 

 

 

 

 

 

 


 

Figura 1 : Invasão da área                                 Figura 2: Drible ilegal

 

 

 

 

 

 

 


 

Figura 3: Sobre-passos ou segurar a bola Figura 4:Deter, segurar ou empurrar

por mais de 3 segundos

 

 

 

 

 

 

 

 


 

Figura 5: Golpear                                                     Figura 6: Falta de ataque

 

 

 

 

 

 

 

 


 

Figura 7: Tiro Lateral – direção                                  Figura 8: Tiro de meta

 

 

 

 

 

 

 

 


 

Figura 9: Tiro livre- direção                                                   Figura 10: Manter a distância de 3 metros

 

 

 

 

 

 

 

 


 

Figura 11: Jogo Passivo                                                   Figura 12: Gol

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

Figura 13: Advertência (amarelo);                                        Figura 14: Exclusão (2 minutos)

Desqualificação (vermelho)

 

 

 

 

 

 

 

 


 

Figura 15: Expulsão                                                              Figura 16: Time-out

 

 

 

 

 

 

 


 

Figura 17: Permissão para que duas pessoas                        Figura 18: Sinal de advertência “que estão autorizadas a participar da partida”         para jogo passivo

entrarem na quadra durante o time-out “

 

5.3 Handebol e inclusão

 

A prática do handebol pode ser proporcionada de diversas formas. A reprodução de sua forma institucionalizada (como assistimos na televisão) é a mais comum. Porém, este esporte apresenta vivências em forma de pequenos e grandes jogos. Por exemplo: Praticar a queimada usando as três passadas do Handebol. Dividir a classe em quatro equipes e proporcionar um jogo bem diferente. Modificar a regra retirando a progressão com a bola, isto é, o jogador pode movimentar-se apenas sem a bola.

      Nas vivências do jogo além da habilidade em saltar, correr, driblar, arremessar, posicionar-se taticamente, conhecer a função dos jogadores e as regras, é necessário trabalhar a cooperação dentro da equipe e com a outra equipe, o respeito às regras e aos árbitros (que podem ser os estudantes), o saber vencer e perder, respeito e tolerância as limitações alheias (menor habilidade, sexo oposto, necessidades especiais).

Espaço para anotações (mídia, pequenos e grandes jogos, trabalho coletivo, cooperação e respeito à diversidade:____________________________________

 

___________________________________________________________________

 

___________________________________________________________________

 

5.4 Fundamentos básicos e habilidades motoras

 

Os fundamentos básicos do handebol compreendem:

-        Passes: frontal, frontal picado, baixo, por cima da cabeça, de costas;

-        Progressão: drible, três passadas e seis passadas;

-        Arremessos: apoiado, em suspensão, 7 metros, pronação.

 

Espaço para anotações:_______________________________________________

 

___________________________________________________________________

 

___________________________________________________________________

            As habilidades motoras estão presentes nos gestos motores que envolvem os fundamentos básicos: correr, saltar, arremessar, rolar (após uma queda), coordenar movimentos (quicar, correr, saltar e arremessar de forma simultânea ou concomitante).

Espaço para anotações:_______________________________________________

 

___________________________________________________________________

 

___________________________________________________________________

            A tática compreende o posicionamento dos jogadores em quadra. Este posicionamento depende das características da própria equipe e da equipe adversária:

            - O jogador e a bola

            - O jogador, a bola e o gol

            - O jogador, a bola, o gol e o companheiro

            - O jogador, a bola, o gol, o companheiro e o adversário.

            Assim, os jogadores podem apresentar as seguintes formações:

-        6-0 (faça o desenho e anote as explicações)

 

 

 

 

-        5 – 1 (faça o desenho e anote as explicações)

 

 

 

 

-        4 – 2 (faça o desenho e anote as explicações)

 

 

 

 

-        3 – 3 (faça o desenho e anote as explicações)

 

 

 

 

-        2 – 4 (faça o desenho e anote as explicações)

 

 

 

 

-        1 – 5 (faça o desenho e anote as explicações)

 

 

 

Referências

 

ACSM. Programa de condicionamento físico da ACSM. 2. ed. São Paulo: Editora Manole Ltda, 1999.

BETTI, M. Educação Física e sociedade. São Paulo: Movimento, 1991.

BRACHT, V. Esporte-estado-sociedade. Campinas: Revista Brasileira de Ciências do Esporte, v. 10, n.2, p. 69-73, jan. 1989.

Federação Internacional de Handebol. Handebol - Regras Oficiais 2006 – 2009. Editora: Phorte, 2007.

HUIZINGA, Johan. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. 5 ed. São Paulo: Perspectiva, 2007. P. 33.

KENNEY, W. L. et al. Manual do ACSM para teste de esforço e prescrição de exercício. 5. ed. Rio de Janeiro: Editora Revinter Ltda, 2000.

MARINS, João Carlos Bouzas; GIANNICHI, Ronaldo Sergio. Avaliação e prescrição de atividade física: guia prático. 2 ed. Rio de Janeiro: Shape, 1998.

TUBINO, Manoel José Gomes. Dimensões sociais do esporte. São Paulo: Cortez, 1992.

WEINECK, J. Treinamento ideal: instruções técnicas sobre o desempenho fisiológico, incluindo considerações específicas de treinamento infantil e juvenil. São Paulo: Manole, 1999.